quinta-feira, 25 de junho de 2015

O TEMPLO DA ROSA CRUZ


O Templo da Rosa Cruz

Fama Fraternitatis, ou Descoberta da Fraternidade da Mais Nobre Ordem da Rosa Cruz traduzido do alemão por Thomas Vaughan em 1652

Ao descrever essa estranha figura, agora publicada pelo primeira vez {1618} em mais de trezentos anos, Schweighardt lembra aos buscadores da verdade que o Templo e seus irmãos místicos estão sempre perto ao homem sábio, que descobre-os somente ao perceber interiormente os mistérios do espírito.

O Templo está sobre rodas, significando que pode ir à qualquer lugar, e está suspenso do céu por uma corda porque é movido pela Vontade de Deus. A rosa está sobre uma de seus janelas e a cruz está sobre a outra.

É útil resumir as descrições de Schweighardt's sobre a Casa do Espírito Santo. Theophilus assegura o leitor sobre a completa sinceridade e bondade Cristã que insipirou-o à publicação de uma real e confiável relato sobre o Collegium Fraternitatus. Ele explica que estrangeiros vieram de todas as partes do mundo para Leipzig e Frankfurt, e outras cidades, de vendedores de livros, gravadores a diretores de museus, pedindo por informações sobre a verdadeira morada dos Rosacruzes. Para gratificar os desejos destes sinceros e honestos homens, ele, Theophilus Schweighardt, decidiu clara, simples e planamente, e sem equívocos apresentar, descrever, representar, explicar e descrever a morada dos Irmãos da Rosa Cruz. Com esse preâmbulo o autor então procede à explicar que o Colégio da Fraternidade não é um lugar específico, mas está em toda parte; que todos os homens já o viram mas não o reconheceram; e que cabe a ele ser verdadeiramente descoberto somente por aqueles de coração puro e vida reta, que meditaram profundamente sobre os mistérios de Deus e do Espírito.

No canto superior esquerdo da placa de Schweighardt há uma estrela, e nome de seus raios um homem segurando uma serpente. Em oposição, no canto superior direito há outra estrela que com seus raios cerca a figura de um cisne. Estes símbolos são descritos no Confessio Fraternitatis:

"Sim, o Senhor Deus já enviou antes certos Mensageiros, que devem testificar sua Vontade, a saber, algumas novas Estrelas que surgiram ne podem ser vistas no firmamento em Serpentario e CygnoYea, the Lord God hath already sent before certain Messengers, which should testify his Will, to wit, some new Stars which do appear and are seen in the Firmament in Serpentario and Cygno, que significam e fazem saber à todos, que eles são poderosa Signacula de questões de grande importância."

(N.T,.: Tradução livre do inglês. Original: “Yea, the Lord God hath already sent before certain Messengers, which should testify his Will, to wit, some new Stars which do appear and are seen in the Firmament in Serpentario and Cygno, which signifie and give themselves known to every one, that they are powerful Signacula of great weighty matters.“)

O contexto infere que estas novas estrelas anunciaram o nascimento da Sociedade Rosacruz, ou, ao menos, seu renascimento em 1604, quando da abertura da tumba do Father C.R.C. Muito provavelmente, 1604 é a verdadeira data da fundação da Irmandade Rosacruz, sendo as datas anteriores inteiramente simbólicas. Um paralelo é encontrado na alegoria maçônica de Hiram Abiff, pelo qual uma antigüidade simbólica é atribuída à Franco-Maçonaria, muito embora a sociedade em si tenha vindo à existência aproximadamente à mesma época que a Sociedade Rosacruz.

Schweighardt obteve um sucesso muito maior que Robert Fludd {Tractatis Apologetica} em escapar à cobrança de ser incapaz ou não querer atribuir uma localização física ao Templo Rosacruz. A inferência é Maçônica – o Templo Rosacruz é o universo, seus adeptos os homens sábios de todas as eras, suas disciplinas (N.T.: Creio haver um erro tipográfico, pois mais correto seriam “discípulos”), os que praticam as virtudes. A vida é, portanto, a Escola do Espírito Santo. Todos os buscadores sinceros da verdade estão buscando pela Casa da Sabedoria Universal, e estes que descobrem o verdadeiro sentido da Grande Obra tornam-se pilares da Casa Eterna e jamais dela saem.

SUB UMBRA ALARUM TUARUM JEHOVA

(Sobre a sombra de vossas asas, Jehova)

Fonte:
Leitura:The Rosicrucian Movement by Frances Yates
Leitura dos Manifestos Rosacruzes: The Fame &
Confession of the Fraternity traduzido do Alemão para o inglês por Thomas Vaughan 1652
 FONTE: http://www.sirbacon.org/links/temple_of_rosy_cross.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu e-mail para retornarmos seu comentário.