quinta-feira, 12 de março de 2015

Como Reconhecer uma pessoa Falsa e Dissimulada?


"Como Reconhecer uma pessoa Falsa e Dissimulada?"
Por Caciano Camilo Compostela​, Monge Rosacruz

O Cinismo é uma serpente peçonhenta que nunca mostra a verdadeira face, sabe perfeitamente esgueirar-se pelos cantos, ganhar espaço, tornar-se agradável, conquistar a confiança para, quando menos se espera, atacar quem foi inocente o suficiente para lhe dar abrigo.

A crescente superficialidade nas relações tem feito proliferar a habilidade dos lobos vestirem-se com pele de cordeiro, de tal forma que é completamente 'démodé' classificar as pessoas em joio/trigo, e perfeitamente comum termos tanta gente falsa reclamando de falsidade.

A falsidade não é um chifre que só nasce na testa do vizinho, é um demônio muito popular que, num momento ou n'outro, encontra guarida no coração de todos os mortais. 

'Não leve o personagem pra cama, pode acabar sendo fatal'.

A pessoa dissimulada está em desajuste interno, vê o mundo e os outros por uma  ótica desfocada; encontra-se perturbada por influências obscuras criados e continuamente alimentados em sua própria mente. O espírito da falsidade é uma erva daninha que nunca nasce sozinha, carrega consigo uma multidão de outras ervas igualmente perniciosas. 

> O indivíduo falso é infeliz porque não vive a própria vida; ele está por demais preocupado com o que os outros vão pensar, em como deve se portar, com o que deve ou não dizer afim de 'parecer' mais agradável, aceitável, sociável. Ele sofre de uma múltipla insegurança e, por isso, deseja viver a vida que não lhe pertence. 

Prefira sempre olhar para si como o 'centro' do próprio universo e crescer a partir daí; ninguém pode dar aquilo que não possui.

> O indivíduo falso não consegue manter a língua grudada no céu da boca, ele comenta pelas costas, aumenta, inventa, acrescenta, espalha e tem um prazer indescritível em falar mal da vida alheia. A covardia, na maioria das vezes, não lhe permite o enfrentamento 'olho no olho', mas lhe encoraja a sempre engrossar o caldo de qualquer boato. 

Prefira sempre silenciar, elogiar quando achar necessário, criticar (construtivamente!) no particular, mas nunca alimentar o espírito da fofoca. 

> O indivíduo falso não tem personalidade, quer sempre agradar e evita assumir pontos de vista que possam coloca-lo em oposição as pessoas que deseja manipular. Concorda com tudo e muda de opinião tão rápido quanto seus interesses.

 Prefira analisar, refletir por si mesmo e manter sua integridade e coerência mesmo sob críticas e dificuldades. 

> O indivíduo falso, por sua baixo auto-estima, tem a necessidade de 'estar por cima', projetar uma figura sempre melhor que 'os outros'; ele vive num eterno teatro da mentira, do faz-de-conta, da ilusão. 

Prefira manter a cabeça no lugar e admitir, para si mesmo, suas fraquezas, fracassos e fragilidades. Ninguém é perfeito, elevado e feliz o tempo todo. 

> O indivíduo falso pode até não demonstrar, mas sente uma profunda tristeza com o sucesso alheio; não suporta ver a conquista, o bem-estar e a alegria, arranja sempre um jeitinho de azedar o leite e acha-se sempre o injustiçado, preterido e ameaçado.

Prefira vibrar, alegrar-se e trabalhar pelo sucesso das pessoas ao seu redor; exercite a capacidade de 'torcer' sinceramente pelos outros.

> O indivíduo falso, astralmente, apresenta-se como um ser perturbado por diversos Ens Sombrosos nas tonalidades mais desagradáveis, essa 'obsessão' vampírica atormenta e desvitaliza a pessoa que sente-se fortemente inclinada a depressão e melancolia. 

Prefira ser um canal de Luz. Visualize-se como um canal de bençãos, energia e amor.

In Lumem Lumine,

C.C.C.M.R+C


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu e-mail para retornarmos seu comentário.