quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

"Como manter-se Motivado, mesmo na adversidade!?"



"Como manter-se Motivado, mesmo na adversidade!?"
Por Caciano Camilo Compostela​, Monge Rosacruz

Aos 57 anos de idade, quando sofria sangramentos inexplicáveis, ulceras, artrose, reumatismo, hidropisia, tremores e no auge de uma obesidade tão aguda que a impedia de locomover-se, Helena Blavatsky surpreende! Quando todos imaginavam que ela nada mais tinha a oferecer, que estava velha; cansada e abatida pelas dores da vida, pela 'má fama', pelas ferrenhas inimizades, pelas tantas derrotas e desventuras, ela escreve definitivamente seu nome na História do Esoterismo ao publicar sua maior obra: "A Doutrina Secreta"!

Em 1888, Madame Blavatsky renasce das próprias cinzas e, mais uma vez, demostra sua capacidade de auto-Superação, sua força de Vontade.

A Doutrina Secreta, publicada no Brasil em seis volumes, ainda é literatura obrigatória para quem deseja aprofundar-se no fascinante mundo de ligações e interligações da mística Oriental e Ocidental. Entretanto, o que nos chama realmente atenção aqui, é o espírito de absoluta força, poder e resiliência na personalidade de H.P.B.

Não, a vida não é feita apenas de 'selfies' glamourosas, de momentos fantásticos, viagens exóticas e quanto maior a Luz que se ouse emitir, maiores serão as sombras igualmente projetadas.

É sumamente importante que tenhamos uma Missão de vida, que saibamos qual é a Vocação de nosso coração e trabalhemos incansavelmente em sua direção. Sem um norte, melhor, um Oriente, caminhamos a esmo perambulantes, desorientados, e inconstantes como o vento.

Isto é Motivação (do Latim, Movere), é a razão, o objetivo, o Motivo que nos move numa determinada direção.

Madame Blavatsky, em uma de suas cartas a Clarividente Annie Besant, afirmou:

'O vento balança os galhos, mas o tronco permanece imóvel'

Ou seja, as circunstâncias não podem derrubar uma Vontade forte e determinada;  enquanto a vontade débil, indecisa, instável, raquítica e vacilante caí a primeira dificuldade. 

Para manter-se de pé, firme nos Objetivos e Metas desenhadas, é necessário alinharmos aspectos internos e externos. 

Internamente: Significa sermos capazes de silenciar, nos distanciar dos outros e dos papéis pré fabricados para (re)descobrirmos nosso destino.

Externamente: Significa estarmos conectados com lugares, situações, ensinamentos e pessoas que, de fato, acrescente em nossas vidas.

O automotivado não depende de estímulos alheios. Ele é o que é porque encontra dentro dele mesmo todos os motivos para fazer o que tem que ser feito. Ele age.  Faz o que deve ser feito quando chega o momento de fazê-lo.

Não esperemos que o momento seja favorável, ou que as condições estejam adequadas para começar; simplesmente arregacemos as mangas e façamos! 

Uma história que sempre conto em minhas palestras pelo país, é que quando Helena Blavatsky chegou aos Estados Unidos da América (numa viagem de 3º classe de navio), ela não tinha amigos, nenhum dinheiro e, o pior, quase não falava Inglês. Ela simplesmente foi; sem esperar 'as situações favoráveis' e o Universo a recompensou.

Não é raro conversar com pessoas jovens que se acham velhas, no fim da linha; que brigam com o cônjuge e  se consideram fracassadas; pessoas que, por uma deficiência ou outra, se acham incapazes, imprestáveis, infelizes. Quando se tira os olhos do Alto, da Missão, do Todo, a vida fica tão curta, tão pequena, tão frágil que realmente parece não haver saída; mas o Universo permanece o mesmo, infinito, vibrante e abundante em oportunidades. 

Perde-se muito tempo e energia com gente que não vale uma vela acessa, projetos de vida que não são nossos, expectativas alheias, discussões inúteis e  ambições desnecessárias que impedem o Sol da Verdadeira Vontade brilhar.

Falhar, falir, errar é perfeitamente humano; a única coisa indigna é desistirmos antes mesmo de começar. 

É bem mais louvável o indivíduo que morre tentando do que o que vive desistindo.

In Lumem Lumine,

C.C.C.M.R+C

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu e-mail para retornarmos seu comentário.