segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

da Rosa-Cruz original e dos Rosa-Cruzes poloneses entre os séculos XVII e XVIII





da Rosa-Cruz original e dos Rosa-Cruzes poloneses entre os séculos XVII e XVIII
As perspectivas teóricas de Rafal T. Prinke
 
Rafal T. Prinke escreveu sobre as possíveis conexões entre Michael Sendivogius, o grande alquimista polonês, com os primeiros Rosacruzes no Hermetic Journal no.15, mas existem também alguns outros fatos que se referem aos Rosacruzes poloneses. Suas atividades parecem ter sido centradas em Gdansk (Danzig) onde uma primeira apologia rosacruciana fora publicada em 1615 - por Julius Sperber - Echo der von Gott hocherleuchteten Fraternitet, des loblichen Ordens R.C. [ Eco da fraternidade iluminada por Deus], nas mãos de Sperber, a sabedoria transmitida por Christian Rosenkreutz torna-se uma antiga doutrina secreta que se poderia remontar aos tempos bíblicos.

Essa sabedoria achava-se incorporada num ensinamento que, por intermédio de Noah (Noé) e dos patriarcas, foi depois passado a Zoroastro, aos Caldeus, aos persas, aos egípcios; voltou a ser preservada na cabala Judaica. Uma nova época começou então com Cristo, que mostrou a todos os homens o caminho da bem-aventurança, reservando, porém, a alguns poucos escolhidos o conhecimento do caminho da sabedoria divina. Mais tarde, essa sabedoria quase se perdeu, exceto em terras pagãs; mas somente poucos, muito poucos cristãos a encontraram. Tais foram, segundo Sperber, Cornelius Agrippa, Johannes Reuchlin, Marsilio Ficino, Pico della Mirandola e Aegidius Gutmann. Sperber considerava os rosa-cruzes herdeiros dessa sabedoria.

E tudo isto é especialmente interessante porque apresenta o Rosacrucianismo no contexto hermético-ocultista, à qual ficou conectado desde então. Como este livro foi publicado em 1615, isto é, um ano depois do Fama e no mesmo ano que o Confessio, pode até ser considerado como uma peça do mesmo enredo. Neste caso, teríamos que aceitar a existência da Ordem Rosacruz como uma organização estruturada, tendo representantes em várias partes da Europa, o que não é completamente impossível.

Christopher McIntosh menciona rumores de uma Ordem Rosacruz funcionando em linhas alquímicas por volta de 1622 no Hague e em várias outras cidades inclusive Gdansk, na Polônia. Provavelmente a mesma Ordem foi descrita por Peter Mormius como ativa em 1620 e que também preocupava-se com alquimia.

Significativamente, foi chamado de Rosa Cruz Áurea ( Rosa- Cruz de Ouro), nome que mais tarde, no século XVIII, orientaria alquimicamente uma organização conectada à Franco-Maçonaria. Parece possível que esta organização alquímica com lojas ou centros em Gdansk e outras cidades fossem ramos da Fraternidade original ou mesmo um grupo fundado durante a "febre" rosacruz que seguiu-se à publicação do Fama e do Confessio, devido às dificuldades em se contactar a fraternidade original.

No caso posterior o fundador (ou um deles) pode bem tem sido Julius Sperber, acima mencionado. O grupo de Rosacruzes em Gdansk continuou a publicar livros até o final de século 17, entre os quais, por exemplo, os trabalhos de Geber e Chemia Philosophica de Jacob Barner. Um dos mais interessantes artigos publicados por eles foi Ein ausfuhrlicher Bericht von der Ersten Tinctur-Wurtzel... (1681) por Wincenty Kowski ou Koffski. Era uma tradução alemã do trabalho previamente publicado em latim como Tractatus de prima materia veterum lapidis philosophorum na coleção Thesaurinella olympica aurea tripartita, editado e introduzido por Benedictus Figulus (Frankfurt, 1608).

De acordo com alguns relatos, Figulus em sua introdução alude à uma associação secreta de alquimistas, mas isto não é de interesse principal aqui. Muito mais interessante é seu relato sobre a vida de Wincenty Kowski, sobre quem nada é conhecido de outras fontes. Figulus declara que ele nasceu em Poznan, se tornou um monge dominicano em um monastério em Gdansk e era alquimista (de outras fontes é sabido que monastérios dominicanos eram centros de práticas alquimicas).

Ele escreveu seu Tractatus de prima materia no fim de sua vida, tendo concluído em 3 de maio, 1488, e tendo morrido no mesmo ano. Antes de sua morte ele o escondeu sob um tijolo em cima de sua cela. Foi descoberto em 14 de agosto, 1588 e publicado em 1608. Não existiria nada especial sobre tal fato se uma série de coincidências não aparecesse. Em primeiro lugar, nós temos Gdansk novamente menciondado como o lugar onde o sistema de Kowski havia tinha sido encontrado (entretanto, primeiramente publicado em Frankfurt-am-Mein); foi então traduzido pelo rosacruzes de Gdansk para o alemão, e finalmente o período de tempo da morte de seu autor à sua publicação era exatamente de 120 anos, o mesmo período que decorreu da morte de Christian Rosenkreutz para a abertura de sua tumba. Como a história inteira estava impressa bem antes do Fama, pode vir à indicar a existência de uma certa tradição que irrompe na história sob diferentes disfarces e em diferentes lugares. Talvez possa estar conectado à obra de Simon Studion ( Naometria ), como alguns autores sugerem, ou pode apontar para a existência de uma organização hermético-alquímica de caráter rosacruciano antes mesmo da circulação do Fama e do Confessio.

Além de Gdansk, é possível que a Cracóvia fosse outro centro de atividades da Ordem, porque ela era a capital do país e abrigava uma universidade. A alquimia de Paracelso estava intensamente sendo estudada por lá e seus livros publicados, e até mesmo o próprio Paracelso visitou o lugar em várias ocasiões, tendo amigos e pacientes na região (especialmente a família de Boner, Wojciech Baza e Dawid Mayer). De maneira interessante, Paracelso também visitou Gdansk pelo menos uma vez. Podemos também lembrar, mas sem entrar em detalhes, que Comenius (Jan Amos Komensky), que frequentemente acredita-se conectado com os Rosacruzes, por que de fato estava, passara a maior parte de sua vida na Polônia, na cidade de Leszno, e que John Dee em 1585 encontrava-se na Cracóvia, onde conheceu o hermetista Hannibal Rosseli, o mesmo John Dee, que de acordo com F. Yates pode muito bem ter em última instância originado o movimento rosacruz.

A próxima fase da história do Rosacrucianismo, aquela da Rosa Cruz Áurea, começara com a publicação de Die wahrhafte und volkommene Bereitung... [ A verídica e perfeita preparação da pedra filosofal, da fraternidade da Ordem Rosa Cruz de Ouro e da Cruz Rosa (ou vermelha) ...] por Sincerus Renatus ou Sigmund Richter em 1710. (Sigmund ) Samuel Richter era um pastor luterano, pouco se sabe sobre sua vida. Perante sua obra sabe-se que baseava-se principalmente nos trabalhos de Julius Sperber de Gdansk e Michael Maier, que o conecta à Michael Sendivogius, admirado por Maier. Porém, o nome da Ordem Rosa Cruz de Ouro já havia aparecido em 1620 e também estava conectado à alquimia. Portanto, é bastante plausível que a ordem do século 18 fosse uma continuação da antiga que havia estado ativa no Hague, Gdansk e outras cidades.

Quando a Ordem Rosa Cruz de Ouro foi "maçonizada" e realmente tornou-se um dos numerosos ritos de Maçonaria, também tivera lojas ou "círculos" na Polônia, especialmente em Warsaw. Esta corrente do Rosacrucianismo foi provavelmente introduzida na Polônia por Jean Luc Louis de Toux de Salvarte, um maçom aventureiro que viajou por toda a Europa antes dele vir a instalar-se em Warsaw em 1749 e que havia sido iniciado nos mais altos graus da Rosa Cruz de Ouro em Viena por volta de 1741. Entre outros membros da Ordem estavam : o último rei da Polônia, Stanislaw August Poniatowski, seu irmão Kazimierz Poniatowski, Josef Jerzy Hylzen, que também era presidente do sublime conselho escocês do Grande Oriente da Polônia, Samuel Okraszewski, um químico que fez experiências com vôos de balão, e Karol Henryk Heyking, uma das figuras mais importante da Maçonaria polonesa.

Próximo ao final do século 18 o mestre dos rosacruzes poloneses com o título de "Justitiarius" era o Conde Karol Adolf Bruhl conhecido na Ordem como Frater Oscarus. Outro membro importante e influente era o Conde August Moszynski, magnata e alquimista, que tivera um laboratório em seu palácio em Warsaw e conduzira experiências alquímicas financiadas pelo Rei Stanislaw August Poniatowski. Ele também ficou conhecido como a pessoa que expôs as fraudes de Cagliostro numa visita posterior à Warsaw em 1780.

O problema de "sucessão" para Rafal T. Prinke

Parece haver três possibilidades para ser levar em conta:

(1) Existiam duas organizações distintas usando nomes semelhantes, um do qual estava preocupado "reforma universal" no espírito de várias utopias (e isto era provavelmente organizado muito frouxamente e incluía Johann Valentin Andreae e seu círculo ( o círculo de tübingen) , Comenius, etc.), enquanto o outro estava preocupado com alquimia e a filosofia hermética e incluía entre seus membros Julius Sperber, Michael Maier, Michael Sendivogius, Robert Fludd, e outros;

(2) que estes eram dois ramos da mesma organização, a filial alquimica sendo chamada "de Ouro" para distiguí-la propriamente do ramo reformista;

(3) existia uma só Ordem dedicada ao o estudo da alquimia e da tradição hermético / gnóstica, enquanto o Fama, Confessio e o Casamento Alquimico eram sátiras produzidas por Andreae sobre a verdadeira fraternidade dos rosacruzes.

Referências

- The Jagged Sword and Polish Rosicrucians, by Rafal T. Prinke, article originally published in Journal of Rosicrucian Studies, 1 (1983), 8-13.

- Michael Sendivogius and Christian Rosenkreutz, by Rafal T. Prinke, Article originally published in The Hermetic Journal, 1990, 72-98.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu e-mail para retornarmos seu comentário.