sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Guerreiro – Cabala Mahuti




Guerreiro – Cabala Mahuti

Nunca é tarde para empreender a batalha pela consciência.
Enquanto estamos vivos, sempre há uma possibilidade para reclamar aquilo que por direito nos pertence: nossa plenitude energética, a herança guerreira, a capacidade de nos assombrar e maravilhar, para assim penetrar na aventura do desconhecido.


Cada um de nós é um guerreiro em potencial, quer saibamos ou não.

No mais fundo de nós, há um ser que sabe disso,com uma voz silenciosa.

Já conhecemos o caminho, em algum momento de nossa existência, fomos testemunhas de eventos grandiosos, e basta recordá-los para recuperar nossa dimensão de grandeza humana.

Depois disso, vem o trabalho duro: nos transformar, de simples pessoas, cheias de debilidades, em guerreiros impecáveis: com intento inflexível, com o desejo de compartilhar e curar a si e ao próximo(em todos os sentidos), abdicar do querer pra praticar o dever; sem história pessoal, sem particularidades, sem carências, tendo a morte como companheira e principalmente sem auto-importância...sem a necessidade de reconhecimento, e repetidamente desligando seu diálogo interno; guardando energia, navegando pelo silêncio interior, sem perder o senso de humor, fazendo de cada movimento um ato de grandeza humana, sem perder a possibilidade de estar no mundo da consciência comum, com pleno controle sobre si mesmo, maravilhando-se com tudo o que se vê, vive e sente.

Isso se consegue através de uma revolução interna que não pode ser fácil, se o é, não é caminho espiritual.


Isso não vem dessa ou daquela Tradição, o caminho que escolhes não importa, com tanto que essa revolução seja com o coração, árdua, radical e profunda, em que o ser dentro de nós (o pensamento comum e racional) que vai "morrer", luta destemidamente para manter-nos na pobre e limitada consciência comum que nos mantém na inércia e na preguiça de construirmo-nos como seres pensantes, e melhores para o mundo à nossa volta.


E que não sejamos apenas guerreiros de escritório, envelhecendo ao belo som de contos protagonizados por outros, na preguiça, anestesiados reclamando da situação de nosso povo, ou fingindo estarmos nos transformando por caminhos travestidos de espirituais que só aumentam nossa individualidade e auto importância.


O homem do pensamento contemporâneo não pensa, apenas funciona, sempre de acordo com o pensamento de massa, sempre indo com a manada, sempre repetindo a mesma falácia alienada.
Agimos como animais e pensamos como máquinas, aniquilando toda e qualquer possibilidade real de Ser Humano.


A Sabedoria nos deixou seu conhecimento, e nos diz que a liberdade não é um objetivo teórico, mas uma possibilidade real e prática. Somos livres para empreender nossa própria batalha pela evolução, e o que importa é saber escolher em quais batalhas nos convém entrar e quais não.
Quando um homem entra no caminho do guerreiro, e se torna um homem do espírito, fica consciente, aos poucos, de que a vida comum ficou para trás para sempre.


Isso significa que o mundo comum não é mais um escudo para ele; e que ele deve adotar uma nova maneira de viver, porque o que nos liberta não são as crenças, ou a fé, e sim o fato de começarmos a agir, e o pensar é agir, economizando energia e sendo impecáveis.
Isso modifica tudo.



Um guerreiro que não subestima e nem superestima nada, quieto e

disciplinado cuja elegância é tão extrema que ninguém, não importa o quanto tente, irá descobrir como toda aquela complexidade pode estar nele reunida.

Fonte: Academia de Cabala
Colaboração: Marcelo Veneri

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu e-mail para retornarmos seu comentário.