segunda-feira, 16 de agosto de 2010

O MESTRE SUFI




Um Mestre Sufi contava sempre uma parábola no final de cada aula, mas os alunos nem sempre entendiam o seu significado.

- Mestre, - perguntou um deles, certo dia - tu contas-nos contos mas nunca nos explicas o que significam.
- As minhas desculpas. - disse o Mestre - Como compensação, deixa-me que te ofereça um belo pêssego.
- Obrigado, Mestre - disse o discípulo, comovido.
- Mais ainda: como prova do meu afeto, queria descascar-te o pêssego. Permites que o faça?- Sim, muito obrigado. - disse o discípulo.
- E, já que tenho a faca na mão, não gostarias que eu cortasse o pêssego em pedaços, para que te seja mais fácil comê-lo?- Sim, mas não quero abusar da tua generosidade, Mestre...- Não é um abuso; sou eu que me estou a oferecer. Quero apenas agradar-te. Permite-me também que mastigue o pêssego antes de to oferecer...
- Não, Mestre! Não gostaria que fizesses isso! - queixou-se o discípulo, surpreendido.
O Mestre fez uma pausa e disse:
- Se vos explicasse o sentido de cada conto, seria como dar-vos de comer fruta mastigada.

Sufismo: Origem e história


"O sufismo é um andar no caminho de Deus, uma educação espiritual sob orientação de um shaykh, mestre espiritual, uma experiência individual saboreada pelo adepto do tasawwuf, uma ligação entre a origem da criação e a vontade de descobrir os seus mistérios, o desejo ardente de atingir ou, pelo menos, de aproximar-se da Verdade e afastar-se da ilusão."

O sufismo (árabe: tasawwuf; persa: Sufi gari) é a corrente mística e contemplativa do Islão. Os praticantes do sufismo, conhecidos como sufis ou sufistas, procuram uma relação directa com Deus através do Zikr e outras formas de meditação.

O termo sufismo é utilizado para descrever um vasto grupo de correntes e práticas. As ordens sufis (Tariqas) podem estar associadas ao islão sunita, islão xiita ou uma combinação de várias correntes.O pensamento sufi nasceu no Médio Oriente no século VIII, mas encontra-se hoje por todo o mundo. Na Indonésia, actualmente a nação com maior número de muçulmanos, o islão foi introduzido através das ordens sufis.

O àrabe é um idioma substancialmente de origem egípcia, etmológica e linguísticamente é provado através de estudos reconhecidos e aprovados. Para alguns autores a palavra é oriunda de suf que significa "lã" em árabe. Aparentemente os primeiros praticantes deste tipo de religiosidade tinha por hábito vestir-se com lã como forma de demonstrar a sua simplicidade, sendo provavelmente influenciados pelos ascetas cristãos da Síria e da Palestina. A lã possuía também uma conotação espiritual nos tempos pré-islâmicos.

Para outros autores a origem deve ser procurada na palavra árabe safa, que significa "pureza".
Seja como for, estas palavras tem origem no egípcio antigo, onde as palavras SOF, SEF, SAF, SUF E SIF todas tem como significado PUREZA. Portanto, a palavra SUFI é de origem substancialmente egípcia, isto não quer dizer que o Sufismo seja egípcio, embora tenha como base muita coisa do Egito Antigo, a forma como o conhecemos hoje foi dada graças ao Islamismo, visto que o Sufismo é atemporal e a cada época se apresenta de uma forma diferente, porém sempre com o mesmo conteúdo.

Conhecido por muitos como o misticismo do Islão, o sufismo é uma filosofia de autoconhecimento e contato com o divino através de práticas meditativas, reclusão, danças, poesia e música. Os sufis acreditam que Deus é amoroso e o contato com ele pode ser alcançado pelos homens através de uma união mística, independente da religião praticada. Por este conceito de Deus foram, muitas vezes, acusados de blasfêmia e perseguidos pelos próprios muçulmanos, pois contrariavam a idéia de um Deus que julgava e punia, a quem os homens deveriam se submeter.

Hallad, um dos maiores representantes do sufismo, foi executado, pois dizia que Deus passara a morar dentro dele; que havia atingido a total união e harmonia com Ele. Como o ideal do sufismo era ascético, acreditavam que Jesus era tão importante quanto Muhammad (saw), que o Alcorão era tão essencial quanto a Bíblia ou a Torá. Quase um século e meio depois, Ghazali, um dos maiores pensadores do mundo e seguidor sufi, disseminava a idéia de que a verdade mística não pode ser aprendida, mas sim experimentada por meio do êxtase.

Para os sufis a origem histórica da sua religiosidade pode ser encontrada nas práticas meditativas do profeta Muhammad (saw). Este tinha por hábito refugiar-se nas cavernas das montanhas de Meca onde se dedicava à meditação e ao jejum. Foi durante um desses retiros que Muhammad (saw) recebeu a visita do anjo Gabriel, que lhe comunicou a primeira revelação de Deus.

Encontramos seguidores desta corrente em todos os segmentos sociais: camponeses, donas-de-casa, advogados, comerciantes... Sua filosofia básica é: "Estar no mundo, mas não ser dele", livre da ambição, da cobiça, do orgulho intelectual, da cega obediência ao costume ou do respeitoso amor às pessoas de posição mais elevada.


Ler mais clique aqui

Colaboração: Mysticum Studiosus - Grupo *Rosacruzes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu e-mail para retornarmos seu comentário.