segunda-feira, 9 de novembro de 2009


Sábado, 10 de Outubro de 2009
MAGISTERIBUS AMISCISQUE
ORDO SCIENTIAE ANTIQUI
DISCIPULUS AMICUS
PRIMITIAS
D.D.D.
CONFRADIS

Caro Irmão Petrus,
Harmonizar as afirmações de meus trabalhos anteriores nao foi tarefa nada fácil.
[...]
Tais foram os produtos do trabalho cometido.
Assim, não vislumbrei outro feitio de invocar a nobreza, vigília, perenidade, temperança, luz, comunhão e outras virtudes cognatas senão pela invocação do próprio Espírito Santo, o Paráclito (consolador).

Com esta desígnio empreendi algumas leituras, como faço comumente e assim que me dei com uma passagem que diz o seguinte:
"Paraclitus autem, Spiritus Sanctus, quem mittet Pater in nomine meo, ille vos docebit omnia et suggeret vobis omnia, quae dixi vobis"; está em João, 14:26, como julgo que sabeis.
Ademais, conforme Paulo afirma em sua epístola a Tito 3:5 acerca da "lavacrum regenerationis et renovationis Spiritus Sancti" creio que o Magister – me refiro ao Cristo – quando nos exorta a via de regeneração, da qual tanto nos escreve Saint-Martin, indica a iluminação oriunda do Espírito Santo, conforme inúmeras outras passagens, nas quais ele é sempre caracterizado como aquele que ensina [I Cor 2:13; Heb 6:4].

E assim, compulsei o paradigma do Cristo dado em Isaías 11:2, in verbis:
"Et requiescet super eum spiritus Domini: spiritus sapientiae et intellectus, spiritus consilii et fortitudinis, spiritus scientiae et timoris Domini".

Quem é este Espírito do Senhor, pleno de Dons e Graças senão o Paráclito, o Regenerador, aquele que resplandeceu sobre Jesus no Jordão, conforme o testemunho de João, fazendo-o Cristo – transmitindo-lhe a Graça inexcedível da Unção? Eis o Paráclito, anunciado pelo Magister, dado aos apóstolos no pentecostes (At 2:1-4), o qual trouxe também tantos outros Dons, como exemplo, a operação de maravilhas, a profecia, o dom de discernir os espíritos, a variedade de línguas e a interpretação das línguas [ICor 10:12] dentre outros.

Não houve como não invocá-lo, ademais sendo ele o responsável pela dispensação de tantas virtudes como as designadas acima; eis o Magister por excelência (pois através dele teremos o acesso ao Pai e ao Filho, pela coluna central do templo da Santa Tradição na qual fomos iniciados). E julgo eu que sabeis acerca do que me refiro.

Dentro deste contexto, dessa busca da verdade [Jo 17:17]que tem o poder de libertar [Jo 8:32], desta santa gnosis criei uma jaculatória peculiar. A sua primeira versão é longa: "Deus Pai, sê a minha Luz; Jesus Cristo, sê meu Mestre; Espírito Santo, guia-me sempre".
Verti posteriormente ao latim e atingi as seguintes sentenças: "Deus Patri sed mihi lux; Iesu Cristum sed mihi Magister; Espiritum Sanctum interdum dexeri me".

Assim, à vista de toda conjectura prévia, enfeixei a rogatória na última frase: "Espiritum Sanctum interdum dexeri me".
Sendo, pois o Espírito Santo aquele que ensina todas as coisas, aquele que comunica diretamente a gnosis salvífica e regenerativa, e por fim, o portador da iluminação, conclui que a invocação constante d´Ele pudesse suprir o desiderato de todas as rogatórias possíveis e desejáveis, porque "scit enim Pater vester, quibus opus sit vobis, antequam petatis eum" [Mat 6:8].
Como Motto, ou seja, uma divisa, fica portanto a sigla: E.S.I.D.M. que simplifica, hermeticamente, aquilo que foi dito.

Notai que a palavra central da rogatória é "INTERDUM", que significa eternamente. Assim a frase também se divide em três fatores: ESPIRITUM SANCTUM, o epíteto do Ente em si; INTERDUM, advérbio que caracteriza a natureza de Deus, o Pai, o ÉON sem fim ou começo e, finalmente, DEXERI ME, isto é, guia-me, no sentido de me guiar ao Cristo.

Assim, harmonizadas na rogatória as três pessoas da Santíssima Trindade, invocado o Pai, o Filho e o Santo Espírito, que por sua vez dispensará todas as virtudes que necessito (creio-o) não há como atingir, dentro dos limites do meu intelecto, uma divisa mais simples e singela e profunda.
Pelo que, fundamentado em tudo que disse, declaro esta divisa como meu Motto.

IN CORDIS IESU
PUPILUS TUUM FRA INCOGNITUS
NOMINETENUS IN HIC SANCTA ORDO FRA E.S.I.D.M.
Postado por Incógnito às 08:04

Fonte: http://martinistainc.blogspot.com/2009/10/magisteribus-amiscisque-ordo-scientiae.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu e-mail para retornarmos seu comentário.