quinta-feira, 20 de setembro de 2007

MARCAS D'AGUA DOS ROSACRUZES DO SÉCULO XVII



As marcas d´água ilustradas na fig. 1, foram encontradas nos documentos dos seguintes livros ou manuscritos listados abaixo:


1. Em Sotheby Principia, publicado em 1590 (A letra D era usada pelos místicos como um símbolo da Divindade, do Dia, aquele que Dispõe, o Distribuidor). Observe os seis pequenos círculos anexados aos pontos do desenho; três sobre a cruz e três sobre a letra;


2. Símbolo encontrado em documentos manuscritos e livros contábeis de vários autores desse período. Veja sete pequenos círculos ou pontos na figura.


3. Documento extraído do livro de Bacon, “The Advancement of Learning” (O Avanço do Conhecimento), publicado em 1640. Observe as iniciais, C. R. representando o nome Christian Rosenkreutz. Observe, também, os dois pequenos círculos e as folhas decorativas acima do escudo.


4. Um símbolo encontrado em um documento pessoal usado por Bacon nas cartas para seus “amigos” da sociedade secreta. Estas cartas estão na coleção de Hatton Finch.


5. Outro símbolo encontrado no livro, “The Advancement of Learning”, publicado em 1640. Observe novamente os dois círculos acrescentados na letra R e note que neste momento, as letras R.C. são usadas para significar Rosa Cruz.


6. Este é outro símbolo do livro, “The Advancement of Learning”, publicado em 1640. Aqui nós encontramos as letras C. R. novamente e os cinco pequenos círculos com a Flor de Lis e duas outras folhas.


7. Estes dois símbolos, chamados barras, pertencem ao livro de Ben Jonson, Cynthia's Revels (A Folia de Cynthia). As letras J.R.C. significam Jonson Rosa Cruz ou Jonson, da Fraternidade Rosa Cruz.


8. Aqui nós temos o mesmo tipo de barra, mas este foi usado no folio de Shakespeare, “Cymbeline”, na última página, de 1623. Novamente nós notamos as letras J.R.C. (as letras I e J eram feitas geralmente da mesma maneira).



9. Estes dois símbolos pertencem ao documento “Vestal Virgin” (A Virgem Vestal) de Sir R. Howard, publicado entre 1460 e 1600. Note aqui a Flor de Lis e os pequenos círculos que chamaremos de pérolas.


10. Este pertence ao livro “History of the World” (História do Mundo) de Sir Walter Raleigh, publicado em 1614. Observe os quatro pequenos círculos ou pérolas em cada lado da coroa assim como a Flor de Lis.


11. Este pertence aos livros de Shakespeare no Museu Britânico – edições de 1623. Note novamente as pérolas em cada lado do desenho e compare com os itens 3, 6 e 10 descritos acima.


12. Esta é outra barra do folio de Shakespeare de 1623, no Museu Britânico. Nós encontramos aqui a inicial R rodeada por três letras C em cada lado, um método muito antigo de indicar a Rosa Cruz Alemã ou Christian Rosenkreutz que poderia ser C.R.R.C. ou c. R. c. Inclusive, embaixo da barra, nós encontramos quinze uvas arrumadas na forma de um cacho triangular, 5 uvas um cada lado do triângulo.


13. Esta barra pertence às páginas do livro “Priest of the Temple” (O Sacerdote do Templo) de George Herbert, publicado em 1652. Note aqui o mesmo grupo de uvas na forma de um triângulo.


14. Estes dois símbolos ou desenhos são do livro de Bacon, “The New Atlantis” (A Nova Atlântida), publicado em 1669. Observe dois triângulos formados por uvas, apoiados sobre uma flor. O triângulo superior contém 5 uvas e o inferior contém 4 uvas, a parte superior da flor auxilia para formar o ponto de fundo do triângulo inferior.


15. Este é um dos oito diferentes potes ou vasos encontrados nos Ensaios de Montaigne, publicados em 1603. Temos aqui novamente as letras R.C. e dois triângulos formados por uvas, um acima do outro.


16. Aqui nós temos outro vaso ou pote que é um dos seis diferentes, embora similar, desenhos encontrados nas páginas do dicionário Italiano-Inglês de Florio, publicado em 1611. Observe que as letras C. R. estão invertidas para trás. Isso era feito com freqüência, e, se o desenho fosse lido através do verso da página, veríamos as letras R. C. Veja também o triângulo de seis uvas com uma adicional, para formar o sete simbólico.


17. Este pote ou vaso pertence às peças de Shakespeare, publicadas em 1664. Note o triângulo de quinze uvas novamente.


18. Um vaso ou pote similar no documento de Sapientia Veterum publicado em 1638.


19. Outra barra nos escritos de Shakespeare, publicados em 1632. É um dos muitos desenhos similares no mesmo documento. Veja novamente o triângulo de 15 uvas suspensas na barra e compare com itens 12 e 13. Observe que acima da barra, o desenho apresenta o mesmo simbolismo como nos itens 3, 6, 10 e 11 – representando os escritos assinados por Bacon, Shakespeare e Raleigh.


20. Aqui nós temos outro vaso e pote nas páginas do trabalho de Ben Jonson, publicado em 1616. O mesmo triângulo de uvas aparece nos itens 17 e 18.
O simbolismo das pérolas, ou os pequenos círculos, como acrescentados nos itens 1, 2, 3, 6, 10 e 11, e as uvas mostradas nos desenhos finais nos diagramas, são importantes para os rosacruzes, por terem sido encontrados em todos os primeiros escritos e manuscritos dos Irmãos da Rosa Cruz.
O fato é que todos os manuscritos ou livros mencionados acima contendo as marcas d´água ou marcas de papel, e centenas deles, foram publicados ou apresentados por volta do início do século 17, e que os autores desses escritos eram familiares e conhecidos, ajudam a provar que eles eram membros secretos da Ordem Rosa Cruz de Bacon e eram dedicados aos escritos e a publicação dos livros necessários da época. Eles costumavam usar símbolos similares da Ordem nos papéis para identificar seus trabalhos.

Tradução : Rosilene Brito
Titulo Original: 17th C. Rosicrucian Watermarks
Autor : Frater Nedla, FRC
Texto cedido pela Soror Linda S. Santucci, SRC


·


************************

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu e-mail para retornarmos seu comentário.